Menu fechado

Não retroceda na sua fé

Hebreus 10:35-39

A fé em Jesus, é muito bem definida em Hb. 11:6: De fato, sem fé é impossível agradar a Deus, porquanto é necessário que aquele que se aproxima de Deus, creia que ele existe e que se torna recompensador daqueles que o buscam.

A fé é o poder espiritual que não só nos permite crer na existência de Deus, como também desfrutarmos da recompensa contida em todas as suas promessas, para aqueles que decidem relacionar-se com Ele. Este versículo vai além de estabelecer a fé como o único vínculo sustentável entre Deus e o homem, mas evidencia também, que a fé é o elemento de conquista de todas as bênçãos de Deus, verdade ratificada por Lc. 1:37 porque para Deus não haverá impossíveis em todas as suas promessas, e também por Mc. 9:23: Tudo é possível ao que crê.

Apesar de invisível e etérea, a fé em Jesus nos leva a resultados concretos, a conquistas poderosas na Terra, além de ser o caminho que nos leva até o Céu.

A fé é o como um cordão umbilical espiritual, pelo qual estamos ligados a Deus e por este, recebemos a vida, e todas as demais virtudes e bênçãos divinas. Se este vínculo vier a se perder, perdemos também nossa vida espiritual e os atributos e benefícios que fluem do Espírito de Deus.

Assim como a Vida Eterna, a fé é também um dom gratuito de Deus, que uma vez recebido, nos torna responsáveis por sua manutenção.

Em 2 Tm. 4:7 o Ap. Paulo diz: Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé. O testemunho de Paulo, deixa claro que precisamos cuidar de nossa fé como um bem precioso, e guardá-la a cada dia, com todas as nossas forças até a vinda de Cristo.

No livro de Mateus vemos uma exortação do próprio Senhor Jesus nos alertando sobre o fato de que a fé pode esfriar e quanto ao dever que temos, de preservá-la para salvação. E por se multiplicar a iniquidade, o amor se esfriará de quase todos. Aquele, porém, que perseverar até o fim, será salvo. Mt. 24:12 e 13.

Todo cristão que quiser ser salvo e bem sucedido, terá que fazer duas coisas em relação a fé que recebeu:

1. Manter-se em fé, sob quaisquer circunstâncias (guardando-a tanto nos ventos a favor, quanto nos ventos contrários).

2. Fazer uso de sua fé, não só para manter posições espirituais, como aperfeiçoá-la para maiores conquistas (há pessoas que estacionam na fé e também aquelas que retrocedem). Perguntar se os 12 se lembram de alguém que retrocedeu na fé, e como está a vida destas pessoas hoje?

Como cristãos, precisamos nos submeter a um decreto divino: o meu justo viverá pela fé! (Hb. 10:38). Assim como é imperativo que os trens se mantenham em seus trilhos e os aviões em suas rotas aéreas definidas para que não ocorram acidentes, também é imprescindível que vivamos por fé, porque qualquer desvio, ou retrocesso, resultará em frustração e perdição. Se conscientemente permitirmos qualquer retrocesso, Hb. 10:38 nos diz: Se retroceder, nele não tem prazer a minha alma.

O maior perigo que pode existir, é um cristão, por mais elevada que seja sua patente espiritual, dizer eu jamais retrocederei, jamais me afastarei do Senhor, como fez Pedro antes da crucificação. Só Deus pode nos guardar deste mal, e ainda se formos humildes, tementes e perseverantes.

O esfriamento espiritual vem como as gripes, de forma invisível e sorrateira, quando a pessoa percebe, já está vitimada pelos sintomas. Só há uma maneira para tentarmos prevenir uma gripe, é mantermos uma boa alimentação, sono e vacinas em dia para que nosso imunológico resista a qualquer ataque externo. De igual maneira só nos manteremos saudáveis espiritualmente, se fortalecermos nossa fé por meio de vigilância e oração constantes, como nos prescreve o Dr. Jesus em Mt. 26:41.

Até mesmo os heróis da fé viveram baixas de fé, e assim cometeram pecados, desviaram-se do propósito, e até mesmo negaram a Deus. O estudo de alguns destes episódios, nos ajudará a reconhecermos os inimigos da fé.

Vamos começar por Elias que após ter derrotado e matado os profetas de baal, teve uma baixa em sua fé, e foi esconder-se numa caverna, desistido do ministério e pedindo para si a morte. Elias enfrentava o stress espiritual e físico de um confronto com o espírito de baal, que agia por meio de Jezabel.

Vivemos em variadas batalhas contra o império das trevas, mas não podemos empreendê-las, tomando sobre nós o peso que estas trazem consigo. Não podemos nunca nos esquecer, que somos apenas instrumentos nas mãos de Deus, mas que é Deus quem governa sobre tudo e sobre todos como declara 1 Sm. 17:47: porque do Senhor é a guerra e Ele vos entregará na nossa mão.

O segundo exemplo é o que aconteceu com o profeta Jonas, quando enviado por Deus à Nínive. Jonas sabia ser o povo de Nínive um povo violento, e por isto teve medo de ir até eles confrontá-los em seus pecados. Jonas também sabia que se ele não fosse, eles seriam destruídos pelo acúmulo de seus pecados diante de Deus, mas seu egoísmo o fez pensar só em si mesmo e fugir para Társis, acreditando assim estar seguro. Ninguém fica seguro quando decide ausentar-se da Presença de Deus e de seus deveres espirituais. O caminho que aos olhos de Jonas parecia seguro, se tornou em tribulações, porque o egoísmo e a desobediência de Jonas, foram maiores que sua confiança em Deus. Assim acontece com muitos cristãos, que por uma postura individualista, fragilizam sua fé, negando-se a servirem a Deus.

Outro inimigo da fé é a frustração de expectativas. Ocorre bastante quando recebemos algum Não de Deus. (ex.: a morte de alguém amado, por quem oramos muito). Os próprios doze de Jesus quase desfaleceram na fé, diante da aparente derrota sofrida por Jesus na cruz. Alguns se incredulizaram a tal ponto, que nem vendo Jesus ressurreto, podiam reconhecê-lo e crer que era Ele.

Para que nossa fé não se abale nestes momentos, precisamos ter consolidada a consciência da soberania de Deus descrita no SI. 115:3: No Céu está o nosso Deus e tudo faz como lhe agrada.

Outro terrível inimigo da fé é o medo. Pedro mesmo tendo afirmado a Jesus, morrerei contigo se preciso for, quando oprimido pelo medo da tortura e da morte, negou conhecer o Senhor. Jesus em toda sua misericórdia e bondade, considerou a humanidade de Pedro e não só o consolidou na fé, como lhe deu uma segunda chance de assegurar sua salvação vencendo o medo, e dando sua vida por Jesus, também numa cruz.

Meu objetivo é que saiamos deste discipulado, muito mais determinados a edificar nossa fé, buscando a Deus, vigiando e orando sem cessar, e nos enraizando mais e mais em nossa missão ministerial, porque aqueles que assim o fizerem, vencerão todas as coisas neste mundo e possuirão o Céu, como está escrito em 1 Jo 5:4 e 5: porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo, e esta é a vitória que vence o mundo, a nossa fé. Quem é que vence o mundo, senão aquele que crê ser Jesus o filho de Deus?

Que a cada dia sua fé em Cristo seja renovada, fortalecida, e aperfeiçoada, para maiores conquistas tanto na Terra como no Céu ENDJ. (Orar pela fé dos Aps. Prs. e líderes e discípulos).

Que o Senhor os abençoe e multiplique de forma extraordinária, conforme a promessa ENDJ.

Amamos vocês.

Aps. Fábio e Claudia A. Abbud

Imprimir
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta